Bibliografia

ABBADE, Celina Márcia de S.; PRUDENTE, Clese Mary. A discreta presença africana na toponímia da Bahia. Interdisciplinar-Revista de Estudos em Língua e Literatura. São Cristóvão, Ano XI, v.24, p. 47-59, jan./abr. 2016.

ANJOS, Marcelo Alessandro Limeira dos. Marcas toponímicas em solo piauiense: seguindo as trilhas das águas. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – DINTER-UFPI/Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

ARAGÃO, Maria do Socorro S. de. A linguagem regional – popular no nordeste do Brasil: aspectos léxicos. 2004.

BARREIROS, Liliane L. S. Vocabulário de Eulálio Motta. 360f. Tese (Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Instituto de Letras, Salvador, 2017.

BARREIROS, Liliane Lemos Santana; BARREIROS, Patrício Nunes. Estudo toponímico em Bahia Humorística de Eulálio Motta. Cadernos do CNFL (CiFEFil), v. 20, p. 235-248, 2016.

BIDERMAN, Maria Tereza C. A ciência da Lexicografia. Alfa: Revista de Linguística. São Paulo: UNESP, n. 28 (supl.), p. 1-26, 1984.

BIDERMAN, Maria Tereza C. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, Ana Maria P. P. de; ISQUERDO, Aparecida N. (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: UFMS, 1998, v. 1, p. 11-20.

BIDERMAN, Maria Tereza C. Teoria lingüística: teoria lexical e lingüística computacional. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BIDERMAN, Maria Tereza C. A estrutura mental do léxico. In: BORBA, Francisco da Silva. (Org.). Estudos de Filologia e Linguística: em homenagem a Isaac Nicolau Salum. São Paulo: T.A. Queiroz/Edusp, v. 02, 1981, p. 131-145.

BRANDÃO, Analídia dos Santos. Guia de ruas (bairros) e mistérios: a toponímia como elemento identitário em Bahia de Todos os Santos. Dissertação de Mestrado. Salvador: PPGEL/UNEB, 2015.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 dez. 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, e o art. 18 da Lei nº 10.098de 19 de setembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dez. 2005.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. Brasília MEC. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: 29 set. 2017.

CARDOSO, Armando Levy. Toponímia Brasílica. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1961.

CARVALHO, Ana Paula Mendes Alves de. Os nomes sagrados na toponímia mineira. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

CARVALHO, Mônica Emanoelle Ferreira de. Língua e Cultura do Norte de Minas: a toponímia do município de Montes Claros. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

DAUZAT, A. Les noms de lieux: origine et evolution. Paris: Delagrave, 1926.

DICK, Maria Vicentina de Paula do A. A motivação toponímica: princípios teóricos e modelos taxeonômicos. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 1980.

DICK, Maria Vicentina de Paula do A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições do Arquivo do Estado, 1990.

DICK, Maria Vicentina de Paula do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. 3. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1992 [1986].

DICK, Maria Vicentina de Paula do A. A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo: 1554-1897. São Paulo: Annalume, 1992.

DICK, M. Vicentina de Paula do A. Os nomes como marcadores ideológicos. In: Acta Semiótica et Lingvistca. São Paulo: Editora Plêiade, v.7, p. 97-122, 1998.

DRUMOND, Carlos. Contribuição do Bororo à Toponímia Brasílica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1965.

FEIRA DE SANTANA. Lei Municipal Nº 164/2005. Dispõe sobre a implantação e obrigatoriedade da Libras – Língua Brasileira de Sinais – como Língua oficial do município de Feira de Santana e dá outras providências. Leis Municipais. Feira de Santana, 1 fev. 2005.

FEIRA DE SANTANA. Lei Municipal Nº 2608/2005. Cria cargos de intérpretes de Libras – Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Leis Municipais. Feira de Santana, 29 ago. 2005.

FEIRA DE SANTANA. Lei Municipal Nº 3000/2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade da presença do intérprete de Libras em locais de atendimento coletivo em Feira de Santana, e dá outras providências. Leis Municipais. Feira de Santana, 19 maio 2009.

FELIPE, Tanya Amaral. Bilinguismo e Surdez. I CONGRESSO BRASILEIRO DE LINGUÍSTICA APLICADA. Anais… São Paulo: Universidade Estadual de Campinas, 1983.

FELIPE, Tanya Amaral. Introdução à gramática da Libras. In: FERREIRA-BRITO, L. et al. Língua Brasileira de Sinais. Brasília: SEESP, 1997. V. III (Série Atualidades Pedagógicas, n. 4).

FELIPE, Tanya Amaral. Os processos de formação de palavras em Libras. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 7, n. 2, p. 200-217, jun. 2006.

FERREIRA, Lucinda. Por uma gramática de Língua de Sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

FILGUEIRAS, Zuleide Ferreira. A presença italiana em nomes de ruas de Belo Horizonte: passado e presente. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

FRANCISQUINI, I. de A. O nome e o lugar: uma proposta de estudos toponímicos da microrregião de Paranaval. Dissertação (Mestrado) – UEL. Londrina, PR: 1998.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em relação em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GESSER, A. Um olho no professor surdo e o outro na caneta: ouvintes aprendendo a Língua Brasileira de Sinais. 2006. 221f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas. 2006.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 1997.

GOMES NETA, Beatriz Latini. Os nomes de escolas públicas na cidade de Mariana: microtoponímia urbana. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem. Universidade Federal de Ouro Preto: ICHS, 2016.

HAENSCH, Günther. Tipología de las obras lexicográficas. In: HAENSCH, G. et al. La lexicografia: de la linguística teórica a la lexicografia práctica. Madrid: Gredos, 1982, p. 95-187.

ISQUERDO, Aparecida Negri. O fato lingüístico como recorte da realidade sócio-cultural. São Paulo: 1996. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista.

ISQUERDO, Aparecida Negri. Léxico regional e léxico toponímico: interfaces linguísticas, históricas e culturais. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de (Org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia e Terminologia. Vol. VI. Campo grande: Editora da UFMS, 2012, p. 115-139.

ISQUERDO, Aparecida Negri; CASTIGLIONI; A. C. Em busca de um modelo de dicionário onomástico-toponímico. In: ISQUERDO, A. N.; FINATTO, M. J. B. (Org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia, vol. IV. Campo Grande, MS. UFMS; Porto Alegre, RS. UFRGS, 2010.

LIMA, Ivone Alves de. A motivação religiosa dos topônimos paranaenses. In: Estudos lingüísticos – XLV Seminário do GEL. Campinas: UNICAMP, 1997.

MACHADO, Sônia Maria Caldas. Estudo toponímico no Vale do Mucuri. Monografia. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, junho de 2012.

MENDES, Letícia Rodrigues Guimarães. Hidronímia da região do Rio das Velhas: de Ouro Preto ao Sumidouro. 260f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

MENDES, Tatiana Martins. O léxico toponímico de Diamantina: língua, cultura e memória. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

MENEZES, Joara Maria de Campos. O léxico toponímico nos domínios de Dona Joaquina de Pompéu. 210f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

PAULA, Jéssica Nayra Sayão de. Toponímia de origem árabe em ruas de Belo Horioznte-MG.  Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, junho de 2015.

PEREIRA, Renato Rodrigues. A toponímia de Goiás: em busca da descrição dos nomes de lugares dos municípios do Sul Goiano. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2009.

PORTO DAPENA, José-Álvaro. Manual de técnica lexicográfica. Madrid: Arco Libros, 2002.

QUADROS, Ronice Muller de. KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de Sinais Brasileira, Estudos Linguisticos. Porto Alegre: Editora Artmed, 2004.

SAMPAIO, Theodoro. O Tupi na Geografia Nacional. 4. ed. Salvador, 1955 [1901].

SEABRA, Maria Cândida T. C. de. A formação e a fixação da língua portuguesa em Minas Gerais: a toponímia da Região do Carmo. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, UFMG, Belo Horizonte, 2004.

SEABRA, Maria Cândida. ATEMIG Atlas Toponímico do Estado de Minas Gerais: variante regional do ATB. In: Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006.

SOUSA, Alexandre Melo de. Projeto Altas Toponímico da Amazônia Ocidental Brasileira: a motivação toponímica na criação dos sinais (em Libras) que nomeiam dos municípios acreanos. In:. SOUSA, A. M; GARCIA, R. SANTOS, T. C. (Orgs). Perspectivas para o ensino de línguas. v. 2. Rio Branco: NEPAN Editora, 2017.

SOUZA JÚNIOR, J. E. G. Nomeação de lugares na Língua de Sinais Brasileira. Uma perspectiva de toponímia por sinais. 2012. 80f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas. Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

STROBEL, Karin. História da educação de surdos. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009.

STROBEL, Karin. As Imagens do Outro sobre a Cultura Surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

VILELA, Mário. Definição nos dicionários de português, estrutura de explicação. Porto: Asa, 1983.

VILELA, Mário. Ensino da língua portuguesa: léxico, dicionário, gramática. Coimbra: Almedina, 1995.

WERNER, Reinhold. Léxico y teoría general del lenguaje. In: HAENSCH, G. et al. La lexicografía: de la lingüística teórica a la lexicografía práctica. Madrid: Gredos, 1982, p. 21-94.